Por quê temos poucas mulheres em cargos de chefia no Brasil?

mulheres em cargos de chefia

Experimente fazer uma busca de imagens com a palavra ‘chefe’. Tente também com ‘líder’. Esses termos não se referem a um gênero específico, certo?

Porém, os resultados mostram muito mais homens do que mulheres em cargos de chefia! Essa rápida pesquisa dá pistas de uma triste realidade: o Brasil acaba de ser apontado como o 2º país da América Latina com menos líderes do sexo feminino. Isso acontece mesmo que tenhamos muitas mulheres no mercado de trabalho.

Infelizmente, parece que elas não ‘chegam lá’ com tanta facilidade quanto os homens.

Estas conclusões são baseadas em um recente estudo realizado pela Hays Executive – uma empresa de consultoria e recrutamento em âmbito internacional.

Números do estudo sobre mulheres em cargos de chefia:

  • 480 é o total de executivos latino americanos inquiridos na pesquisa da Hays Executive;
  • A projeção do estudo aponta somente 12% de mulheres brasileiras ocupando cargos de liderança.
  • As brasileiras que são presidentes ou CEOs de empresas representam somente 2% da porcentagem citada acima
  • No estudo, as mexicanas ultrapassam as brasileiras por uma pequena margem de 1%. Ou seja, no México só 11% de mulheres na liderança foram apontadas nesse estudo.

Comparativo – Sexo x Idade:

O estudo da Hays também faz um levantamento das faixas etárias com que homens e mulheres chegam aos mais altos cargos.

O resultado demonstra que os homens alcançam as mais altas posições na empresa por volta dos 40-50 anos. Enquanto isso, é necessária uma média de 10 anos a mais para as profissionais do sexo feminino.

Essas informações nos fazem pensar no que causa tamanha disparidade… Inclusive, não dá para esquecer que ainda há um grande abismo salarial entre os gêneros. Os homens ganham mais e, mesmo assim, ainda há menos mulheres em cargos de chefia!

Essa matéria é do seu interesse? Escute esse podcast!

Apesar do mundo cada vez mais caminhar em direção à igualdade, as mulheres ainda têm muito que batalhar! Ainda tem muito preconceito. Será que tem diferença na maneira como se vê uma mulher ou um homem tatuados

More from Fernanda Prats

7 presentes caros para você se inspirar

Conheça os trecos mais extravagantes em que uma minoria privilegiada esbanja o...
Read More

3 Comments

  • acho que esta cultura arcaica patriarca ,e essa, ideologia da supremacia do macho que nega a igualdade de direitos para homens e mulheres e funções de liderança política, autoridade moral, privilégio social e controle das propriedades,são resultados de milhares de anos , de uma cultura machista passada de gerações por gerações ao redor do mundo , no fundo é medo incomensurável do poder da superioridade das mulheres ..isso é tudo medo dessa superioridade matriarca, não no sentido “feminazi” , e sim em que a mulher-mãe teria uma posição dominante na família e na comunidade. Há um termo diferente para ‘governo ou domínio da mulher’ – ginecocracia, e não é este ocaso.. entendo , e sou a favor , afinal, chaga de dizer que por tras de um grande homem sempre há uma grande mulher, sim, isso é vero, mas esta na hora delas tomarem a frente, saírem dessa sobra ofusca e fazerem os “grandes Homens” aprenderem de verdade, mas de frente pra elas, e não a frente delas .

  • patriarcalismo, que até os dias de hj assombra as mulheres ,é fruto de uma cultura arcaica “social “ passada de geração para geração ,um sistema social em que homens adultos mantêm o poder primário e predominam em funções de liderança política, autoridade moral, privilégio social e controle das propriedades, é frustrante e ignóbil e tão sem sentido nos dias de hj, não que nunca fosse .Não acho a mulher uma figura “frágil” ,pra mim esta fragilidade é em função ao homem, pra não lhe vergonhar qual é a sua verdadeira força feminina, essa história de que “por trás de um grande homem sempre há uma grande mulher”penso o seguinte” sempre há uma mulher maior.o Matriarcado , não o “feminazismo” seria uma forma de organização social em que a mulher-mãe teria uma posição dominante na família e na comunidade. Há um termo diferente para ‘governo ou domínio da mulher’ – ‘ginocracia’.
    Mulheres sempre seram precocimente mais evoluídos do que a mentalidade ameba da maioria dos homens
    Acho que nós homens no empolgamos erroneamente demais com a essa tal fragilidade da mulheres, espero que essa conscientização não seja a longo prazo .
    e claro que isso historicamente culminou nessa tragédia de desigualdade de generos , cor pele

  • patriarcalismo, que até os dias de hj assombra as mulheres ,é fruto de uma cultura arcaica “social “ passada de geração para geração ,um sistema social em que homens adultos mantêm o poder primário e predominam em funções de liderança política, autoridade moral, privilégio social e controle das propriedades, é frustrante e ignóbil e tão sem sentido nos dias de hj, não que nunca fosse .Não acho a mulher uma figura “frágil” ,pra mim esta fragilidade é em função ao homem, pra não lhe envergonhar qual é a sua verdadeira força feminina, essa história de que “por trás de um grande homem sempre há uma grande mulher”penso o seguinte” sempre há uma mulher maior.o Matriarcado , não o “feminazismo” seria uma forma de organização social em que a mulher-mãe teria uma posição dominante na família e na comunidade. Há um termo diferente para ‘governo ou domínio da mulher’ – ‘ginocracia’.
    Mulheres sempre serão precocemente mais evoluídos do que a mentalidade ameba da maioria dos homens
    Acho que nós homens no empolgamos erroneamente demais com a essa tal fragilidade da mulheres, espero que essa conscientização não seja a longo prazo .
    e claro que isso historicamente culminou nessa tragédia de desigualdade de gêneros , cor e pele

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.